28 de jan de 2008

Uma Revolução Conservadora?

Antes de ser crucificado publicamente quero deixar claro que o intuito desse comentário é propor uma análise crítica e não causar uma guerra de fãs de carteirinha entre consoles.

Recentemente vi um trailer do Smash Brothers Brawl para o Wii. Há um bom tempo o jogo vem sendo anunciado, em meio a alguns atrasos, na plataforma revolucionária “next-gen” da Nintendo. A questão curiosa é o controle e a jogabilidade. O Wii vem desbancando tanto o PS3 como o 360 nas vendas de maneira incrível (o que até resultou em uma irritante crise de falta de estoque) porque possui controles intuitivos e finalmente abriu o mundo dos games para o público “casual”. Wii Sports, sendo pioneiro dessa linha de jogos, apresenta controles simples e inteligentes associados aos movimentos do corpo.




O trailer do Smash Brothers Brawl revela apenas uma das quatro formas de controle possíveis para ser usada durante o jogo, mas na prática não há tanta diferença. Você pode usar o Wiimote na posição horizontal, o Wiimote com o Nunchuk, o controle do GameCube ou o controle “clássico” do Wii. Nuâncias a parte, cadê a revolução? Eu entendo o enorme desafio que é implementar a mecânica de movimento do Wiimote em um jogo de luta, mas a revolução perde um pouco do sentido quando o controle remete ao do Super Nintendo.

As opções de controle para o Smash Brothers Brawl são democráticas, mas sem dúvida tudo isso fortalece a noção de que o bom e velho joystick de um jogador “hardcore” não perdeu a força. Pelo visto até mesmo a Nintendo reconhece as vantagens de um controle mais conservador.

3 comentários:

Son Kaio disse...

Como você tinha dito, o Wii vendeu bastante mesmo por que um publico que não tinha "interesse" em jogos. Nunca joguei nele mas deve ter alguns titulos interessantes para jogar com a familia e amigos, mas não compraria ele de jeito nenhum por ser um jogador hardcore.

Sal disse...

Concordo com o colega, não me atrai. Apesar de alguns poucos títulos me interessarem.

Ainda bem que a Nitendo acertou s mão no videogame, eu achava que eles iam falir ou serem comprados.

Arthur Protasio disse...

A situação que vocês passam e descrevem é a mesma que acontece comigo. Eu tenho um 360; não um Wii e sou hardcore. O que me intrigou (e foi o que eu tentei mostrar no post) foi como o Wii também não pode simplesmente (ou parece não poder) deixar o público hardcore de lado e como o Wiimote nem sempre é a melhor opção para controles.